Golpe de Estado na Porcolandia


Salvador Hugo Palaia

Bom, como voces já sabem, não sou Palmeirense e estou muito longe disso, mas vou pedir licença ao Felipe e comentar toda essa historia nos bastidores do time da Barra Funda. Como não acompanho como torcedor, aviso que essas minhas impressões são de uma pessoa que vê tudo “de fora”. Sendo assim: Felipe, se quiser acrescentar algo depois, esteja a vontade.

Num breve resumo aos mais desinformados, o presidente Luis Gonzaga Belluzzo teve um ataque cardíaco e, para a cirurgia e recuperação, pediu licença de 40 dias. Nesse interim, o vice Palaia teve o cargo interinamente. Mas o que vimos foi este mesmo Salvador Hugo Palaia, assim que se “sentou na cadeira”, demitindo todo o comando do futebol do Palmeiras, causando todo um rebuliço dentro do clube italiano. Tal atitude lembrou bem um Golpe de Estado, algo bem típico e comum em países da América Central ate bem poucos anos atrás. Coisas assim podem ter consequências pesadas para o clube. Vamos começar pelo lado social.

Não sei o que Belluzzo pensava a respeito, mas acredito que, se ele não tomou tal atitude antes, é porque teve motivos. E Palaia acabou pensando apenas em seu ego, pois o então vice-presidente de futebol  Gilberto Cipullo era seu principal desafeto. Fica muito fácil simplesmente mandar alguém embora só porque não gosta dele. Atitude típica de um ditador, que chega dizendo que quer instaurar a paz no clube. Convenhamos que ele não começou bem. Não sei se ele tem realmente essa intenção, mas sei que isso pode  não pegar bem. Palaia era o candidato de Belluzzo para as eleições do clube, que devem acontecer em dezembro. Uma atitude dessa pode ser um prato cheio para a oposição, que pode se aproveitar dessa atitude intempestiva de Palaia para chegar ao poder.

O outro lado, confesso que o mais pesado, é o lado técnico. Exemplos recentes com Vasco e Corinthians mostram que, quando existe uma instabilidade politica dentro do clube, as consequências costumam ser catastróficas. O time do Palmeiras, que já não andava muito bem das pernas, pode começar a sentir esse efeito e o desempenho despencar. Afinal, coloquem-se no lugar dos atletas, que são empregados do clube: quem consegue trabalhar bem se a situação em questão não garante sua estabilidade? Alias, talvez seja esta instabilidade politica, que já esta no clube há algum tempo, que explique o porque de vários técnicos diferentes passarem pelo time e o desempenho nunca melhorar, sempre continuar da maneira disforme que o palmeiras vem se apresentando nessa temporada.

Como essa historia vai terminar? Confesso que não tenho a menor ideia, mas ainda tem alguma agua para passar por debaixo dessa ponte. Vamos ver o que esse imbróglio politico pode causar.

EDIT DO FELIPE: Belo texto do Carioca, então só vou deixar alguns pitacos.

1 – Palaia só deixou seus amiguinhos no conselho de futebol visando a eleição em Janeiro/2011

2 – Palaia não é bem visto entre os conselheiros da situação, somente pela oposição extremista, aquela que se interessa mais por um campeonato de bocha do que pelo futebol do Palmeiras

3 – Só mesmo o Palmeiras tem a capacidade de se implodir desse jeito por causa de picuinha politica

Vou parar por aqui antes que saia algum palavrão contra esse velho carcomido.

Anúncios

Tags:, , ,

About Carioca

Engenheiro Mecanico, adoro carros e esportes (a soma tambem conta).

One response to “Golpe de Estado na Porcolandia”

  1. Bruno Rosik says :

    Isso foi muito engraçado e deprimente ao mesmo tempo. Fazer algo assim com o companheiro doente é coisa de mau caráter.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: